Bio&Química

IMPORTANTE: No momento, não há atividades neste fórum. Por favor,caso queira sanar suas dúvidas, visite o fórum www.pir2.forumeiros.com ,que você encontrará seções ativas de biologia e química.

Obrigado.
Bio&Química

Este fórum é um espaço dedicado ao ensino da Biologia e Química que, disponibiliza em suas páginas, apostilas, e-books, questões resolvidas e tudo o mais para incentivar e expandir o aprendizado.

Para abrir Editor LaTeX Codecogs - clique


clique em "copy to document" e copie o código HTML para o campo de postagem
Thank you Codecogs!
CodeCogs - An Open Source Scientific Library

    Entenda um pouco de ecologia

    Compartilhe

    Bruno Atividade
    Membro
    Membro

    Mensagens : 5
    Data de inscrição : 31/07/2011
    Idade : 26
    Localização : Pedreira SP

    Entenda um pouco de ecologia

    Mensagem por Bruno Atividade em Sex Set 02, 2011 10:00 pm

    Na entrevista a seguir, o médico e escritor Ayrton Marcondes, um dos autores do livro "Curso Básico de Educação Ambiental", fala sobre o tema de sua obra, explica alguns conceitos essenciais da ecologia e aborda alguns dos principais problemas ambientais da atualidade. Saiba o que é biosfera, ecossistema, chuva ácida, efeito estufa e muito mais...

    Pelos meios de comunicação, recebemos notícias diárias sobre a destruição das florestas, o aumento da poluição, chuvas ácidas, efeito estufa e várias outras agressões ambientais? Qual o significado real disso? A vida na terra pode desaparecer?
    Para avaliar os riscos reais que corremos, para saber como evitá-los, precisamos conhecer os mecanismos das complexas relações entre os seres vivos e o ambiente. Precisamos estar conscientes das mudanças que precisam ser promovidas pelo homem em seu modo de encarar seu próprio planeta, tanto em nível governamental, quanto individual, para podermos sobreviver sem medo de que a vida em nosso planeta esteja por um fio. Nesse sentido, fica evidente a importância da educação ambiental.

    O que é educação ambiental?
    Educação ambiental é o desenvolvimento da capacidade intelectual do ser humano no que se refere aos assuntos ecológicos, visando a sua participação na preservação do ambiente.

    Você falou em assuntos ecológicos. Ecologia é uma palavra que se ouve bastante, mas o que exatamente ela significa?
    A palavra "ecologia" foi criada pelo biólogo alemão Ernst Heinrich Haeckel, em 1866. Em alemão diz-se "Ökologie". O termo se origina do grego, em que "Oikos" quer dizer "casa" e "logia" significa estudo. Então a ecologia é o estudo do ambiente em que vivemos, ou melhor, é a ciência que estuda as relações dos seres vivos entre si e destes com o ambiente onde vivem. Nesse sentido, o objeto básico, de estudo da ecologia é a biosfera, ou seja, a parte da terra onde existe vida, um espaço que vai desde a altitude de 6.200 metros até profundidades de cerca de 10.100 metros. A biosfera inclui todos os ambientes onde existe vida: o terrestre, o de água salgada e o de água doce.

    O que é um ecossistema, outro termo muito empregado quando se fala em ecologia?
    Ecossistema é o nome que se dá a uma parte da biosfera que pode ser estudada de forma isolada. Uma floresta, um lago, um pântano ou a caatinga tomados em sua totalidade são exemplos de ecossistemas. Ou seja, ecossistema é o conjunto formado pelos seres vivos, pelo meio ambiente onde vivem e pelas relações que esses seres mantêm entre si e com o meio.

    Sob o ponto de vista ecológico, como podem ser classificados os seres vivos encontrados nos ecossistemas?
    Basicamente em três tipos. Primeiro, os produtores, ou vegetais, que são os únicos que conseguem absorver a energia luminosa do Sol e utilizá-la para suprir as suas próprias necessidades energéticas. Através da fotossíntese, os produtores fabricam substâncias orgânicas que servem de alimentos para eles e para outros seres, os consumidores. Os consumidores precisam obter alimento para sobreviver, alimentando-se diretamente dos produtores, no caso dos herbívoros, ou de outros consumidores, no caso dos carnívoros. Finalmente, vêm os decompositores, os seres que se alimentam dos cadáveres dos produtores e consumidores.

    Então, essa relação dos seres vivos entre si e com o meio ambiente é essencialmente alimentar?
    É de natureza alimentar com conseqüente transferência de energia de um ser a outro. De fato, entre os seres vivos de um ecossistema se estabelece uma relação alimentar que se inicia com os produtores e termina nos decompositores, passando pelos consumidores. É a essa relação que chamamos cadeia alimentar. Por exemplo, num certo ecossistema, uma borboleta se alimenta do néctar de uma flor e, em seguida, é comida por um lagarto. Depois, o lagarto é comido por um gavião que, ao morrer, serve de alimento aos decompositores. Convém lembrar que a cadeia alimentar é o tipo mais simples de relação alimentar que se observa na natureza. Em geral, essas relações são mais complexas e o conjunto de cadeias alimentares de um certo sistema é chamado de teia alimentar.

    Essa relação é uma relação de equilíbrio?
    Se nada quebrar os elos das cadeias, mantém-se uma situação de equilíbrio, isto é, todas as espécies que compõem o ecossistema permanecem vivas e integradas ao seu ambiente. Esse contínuo e perfeito funcionamento dos ecossistemas resiste às mudanças naturais do ambiente, como, por exemplo, invernos muito rigorosos, épocas de seca prolongada, inundações naturais e outros fenômenos que ameacem sua estabilidade.

    O que pode ocasionar a ruptura desse equilíbrio?
    A ação do homem. O homem interfere no ambiente por muitas razões, mas, seguramente, a principal foi o grande crescimento populacional no último século. Em conseqüência disso, por exemplo, é necessário aumentar as áreas de cultivo, a produção de máquinas agrícolas, adubos e pesticidas. Além disso, as populações vivem em locais diferentes, então, há necessidade de abertura de estradas, de maior produção de energia e outros materiais. Ainda temos de considerar que vivemos num sistema econômico e político marcado pela acumulação de riquezas e o consumismo exagerado. Tudo isso gera uma necessidade de exploração desenfreada de recursos naturais, que nem sempre são renováveis e podem se esgotar.

    Quais são as principais ameaças à biosfera nos dias atuais?
    Infelizmente várias: chuvas ácidas, buraco na camada de ozônio, efeito estufa, desertificação, extinção de espécies, acúmulo de lixo e poluição.

    Vamos falar um pouco mais sobre algumas delas. Explique o que são as chuvas ácidas.
    As chuvas ácidas são provocadas pela concentração de gases tóxicos lançados diretamente na atmosfera devido à queima incompleta de combustíveis fósseis como o petróleo e o carvão mineral. Essa queima produz, além do gás carbônico, outros gases como as formas oxidadas do nitrogênio e do enxofre, que são liberadas para a atmosfera. Uma delas, o dióxido de enxofre, ao se combinar com o vapor d'água, forma o ácido sulfúrico que é o principal responsável pelas chuvas ácidas.

    Quais as conseqüências que elas provocam?
    Desde 1980, constatou-se que vários lagos do mundo tinham se tornado ácidos e que, na maioria deles, já não se encontrava qualquer forma de vida. A acidez das águas determinou o desaparecimento das espécies. O mesmo efeito pode ser observado em relação à cobertura vegetal. Na cidade de Cubatão, em São Paulo, as indústrias químicas e siderúrgicas lançam excesso de dióxido de enxofre na atmosfera. Por isso, a vegetação da mata Atlântica, nas encostas da serra do Mar, recebe chuvas ácidas. O resultado é a morte das árvores de maior porte e, como suas raízes servem para fixar o solo, passaram a se verificar deslizamentos que põem em risco a vida das populações que vivem perto das encostas.

    E quanto ao buraco na camada de ozônio?
    A camada de ozônio situa-se numa altitude entre 15 e 50 quilômetros, ao redor da nossa atmosfera. O Ozônio é um gás que consegue absorver os raios ultravioletas emitidos pelo Sol, que são extremamente prejudiciais à vida. Então, a camada de ozônio é uma espécie de escudo protetor da Terra. No final da década de 1970, descobriu-se existir um buraco nessa camada, cujas causa pode ser a liberação de um composto químico chamado clorofluorcarbono (CFC) na atmosfera. O CFC foi utilizado em larga escala em inseticidas, tintas, cosméticos, produtos de limpeza, etc. Agora, esse uso tem sido mais controlado. No entanto, o dano se mantém e o buraco na camada de ozônio nos obriga a tomar um grande cuidado ao nos expormos ao sol, pois o excesso de exposição aos raios ultravioletas pode provocar câncer de pele, bem como cegueira. Além disso, a redução da cama de ozônio também contribui para o efeito estufa.

    E o que é o efeito estufa?
    A elevação da temperatura da terra provocada pela introdução na atmosfera de quantidades excessivas de gases que já se encontram nela normalmente ou de gases estranhos a ela. O maior causador do efeito estufa é o gás carbônico que, embora exista normalmente no ar atmosférico, torna-se nocivo em quantidades exageradas, uma vez que não se deixa atravessar pelas radiações infravermelhas do Sol. Desse modo, o gás carbônico, provocado pela queima de carvão, lenha e petróleo, absorve e reflete de volta para a Terra o calor que deveria ser liberado para o espaço, provocando a elevação da temperatura terrestre.

    Quais as conseqüências do efeito estufa?
    A principal conseqüência é o degelo das calotas polares, que pode propiciar o aumento do volume das águas dos oceanos, inundando as regiões costeiras de baixas altitudes e destruindo muitas cidades.

    Tudo isso significa que nós e o nosso planeta estamos condenados definitivamente?
    Não. Muita coisa está mudando. Tanto os governos quanto as organizações governamentais e as pessoas, individualmente, estão se conscientizando dos problemas e têm tomado atitudes para tentar resolvê-los. Ao mesmo tempo, os passos que estão sendo dados ainda são pequenos e há muita coisa por fazer. Essa é uma pergunta que só o futuro poderá responder.

    Retirado de: www.educacaoo.uol.com.br/biologia

      Data/hora atual: Sex Dez 02, 2016 5:16 pm